05 Maus Hábitos Financeiros e Como Dar Fim à Eles

Jan 24 / EQUIPE MONWAY

TEMPO DE LEITURA: 17 MINUTOS

Assim como qualquer outro péssimo hábito, os maus hábitos relacionados com o dinheiro podem ser uma fonte de grande frustração e dano, mas você pode pôr um fim à eles.

Quando se trata de maus hábitos em torno do dinheiro, os efeitos podem ser dolorosos: você pode, por exemplo, pagar milhares a mais em juros, deixando-o sem dinheiro para cobrir suas despesas de emergência.

Pior ainda, maus hábitos de dinheiro podem prejudicar seu crédito e finanças o suficiente para bloquear o caminho para realizar sonhos como possuir uma casa ou se aposentar.

Mas não entre em pânico por causa disso – afinal, os maus hábitos podem ser tratados. O primeiro passo para conseguir isso é reconhecer quais de seus hábitos podem estar trabalhando contra você. Então você trabalhará para substituir um mau hábito por um ou mais bons hábitos. Feito isso, você estará no caminho certo para um futuro financeiro recompensador.

Continue lendo como acabar com os seus maus hábitos financeiros ou veja o vídeo no nosso canal no You Tube um episódio todo inspirado por essa matéria. 

1. Gastar Sem Sabedoria

Com o COVID-19, as brasileiras e os brasileiros concentraram suas despesas mais em produtos e serviços necessários e os dados não estão sólidos no momento, mas pra ilustrar este tópico vamos usar as informações que temos da gringa.

Os americanos gastaram quase US$18.000 por ano em coisas não essenciais, em média, de acordo com uma pesquisa de 2019 da empresa de seguros de vida Ladder. Isso dá quase US$50 por dia. Esse valor cobre tudo, desde jantar em um restaurante e happy hour com amigos até água engarrafada e xícaras de café para viagem.
Os gastos supérfluos ou não essenciais deixam menos dinheiro para gastar em itens essenciais, como fazer pagamentos de hipoteca ou aluguel, reduzir o débito do cartão de crédito, pagar empréstimos estudantis ou reservar dinheiro para a aposentadoria. Gastos supérfluos não são algo que você precisa eliminar totalmente para melhorar suas finanças. Na verdade, faz parte de quase todos os orçamentos saudáveis ​​e estilo de vida feliz. Mas dar uma olhada e cortar onde puder é um ótimo primeiro passo.


Como dar fim a esse péssimo hábito
Aqui estão algumas ações que você pode tomar para reduzir gastos desnecessários:

  • Faça compras com dinheiro. Pesquisas mostram que comprar com dinheiro causa mais dor psicológica do que pagar com plástico. Portanto, as pessoas que pagam com dinheiro tendem a gastar menos do que as pessoas que pagam com cartões de crédito ou débito. Além disso, deixar seus cartões de crédito e débito em casa e fazer compras apenas com dinheiro pode reduzir os gastos por impulso.

  • Faça a sua própria comida em casa. Jantar em restaurantes, pedir refeições para viagem ou entrega e gastar dinheiro no almoço em vez de fazer a boa e velha marmita são algumas das principais coisas que criam um buraco no seu orçamento. Cozinhar é uma maneira eficaz de cortar a gordura de seus gastos com alimentos. Claro, você pode se deliciar com uma refeição no restaurante de vez em quando, mas as refeições caseiras podem ajudá-lo a economizar fundos para itens essenciais, como aluguel e serviços públicos - e geralmente a nossa comidinha é muito mais saudável.

  • Conte até 10 antes de comprar. Se você está pensando em comprar uma nova TV ou um novo par de sapatos, pare um segundo para contemplar e faça a si mesmo estas perguntas: Este item é uma necessidade ou um desejo? Se é um desejo, você pode realmente pagar? Qual é o verdadeiro custo? Fazer essa compra impedirá que você transfira aquela grana no seu plano poupador? Isso significa que você vai acumular mais dívidas de cartão de crédito? Se a resposta a qualquer uma dessas perguntas fizer você hesitar, considere adiar por enquanto.

  • Resista às tentações das promoções. Embora a sensação de economia em comprar algo com desconto seja sempre tentadora, não compre algo simplesmente porque está em promoção. Atenha-se à compra de itens que você realmente precisa. E se esse for um item com desconto, beijo no ombro meu amigo e minha amiga. Pega agora!

  • Revise seus serviços por assinatura. O total pago ao mês pelos serviços de streaming mais assinados no Brasil é de R$243,20. Ao considerar a pesquisa do IBGE que revela que a renda média per capita do da população brasileira é R$1.650,78 e se entende que, em média, se gastaria 15% da renda mensal para assinar os serviços. Eliminar algumas de suas assinaturas pode liberar centenas ou até milhares de Reais por ano que você pode colocar no seu fundo de reserva de emergência ou até mesmo na sua carteira de investimento.

2. Não reservar dinheiro para emergências

As despesas de emergência costumam aparecer quando você menos espera. Seja uma perna quebrada, dois pneus furados ou um Pet doente, uma emergência pode facilmente custar bem caro. Se você não tem um valor considerável em um fundo de emergência, esses custos podem afetar sua vida de forma negativa nos próximos anos.

A falta de um fundo de emergência pode colocá-lo em uma situação financeira difícil. Pode, por exemplo, exigir que você pague uma conta hospitalar com um cartão de crédito com juros altos ou atrase seu aluguel.

Em última análise, pode te forçar a decidir quais contas pagar e quais contas pular, o que nunca é uma boa por causa de multas, taxas e juros. Mas não adianta se martirizar se você não tiver um fundo de emergência perfeitão.

Enquanto 44% dos brasileiros e brasileiras declararam ter uma reserva de emergência em abril de 2020, no início da pandemia, o número saltou para 57% em junho deste ano, aponta pesquisa da fintech Neon. Ou seja, 43% dos brasileiros não têm um puto no bolso caso dê uma dor de dente, quebre uma perna num futebol ou, Deus me livre, um acidente de trânsito.


Como dar fim nesse péssimo hábito

  • Esta tem uma resposta bem simples. Junte dinheiro para emergências criando um fundo de emergência. Normalmente, você deseja que suas economias de emergência sejam armazenadas separadamente de suas outras contas, para que você não possa usá-las para os gastos do dia-a-dia.

  • A quantia de dinheiro que você deve guardar em um fundo de emergência provavelmente difere da quantia que seu irmão ou melhor amigo deve guardar. Uma soma padrão para um fundo de emergência é de três a seis meses de despesas de subsistência. Com base nessa fórmula, se suas despesas mensais, como aluguel e pagamentos de carro, totalizarem R$2.500, seu fundo de emergência deve somar de R$7.500 a R$15.000.

  • Agora, a parte não tão simples de um fundo de emergência é criá-lo em primeiro lugar. Não se preocupe em preenchê-lo com pressa; comece com o que você pode pagar sem sofrer e certifique-se de fazer depósitos consistentemente. (A base de um plano poupador é a consistência). Isso deve se tornar um hábito, afinal. Isso pode significar destinar R$100 por mês pro seu fundo de emergência no início e, em seguida, aumentar esse valor para, digamos, R$300 por mês ou mais quando dependendo dos seus ganhos.

3. Perder o controle do cartão de crédito

O “Mapa da Inadimplência e Renegociação de Dívidas no Brasil”, produzido pelo Serasa, fez um estudo mensal em Dezembro de 2021.

O número de dívidas totais no Brasil registrou uma alta de 2,31% em relação ao mês anterior, totalizando 213.268 milhões de contas. O valor das dívidas também está mais alto. Essas contas têm uma média de R$4.000,61 por pessoa e R$1.189,38 por dívida.

O segmento de bancos e cartões de crédito segue liderando o ranking das contas responsáveis pela inadimplência, representando 28,70% do total.

Enquanto alguns podem não ter problemas para lidar com essa quantidade de dívidas, outros podem achar difícil. Gastos fora de controle com cartão de crédito podem levar a alguns problemas seríssimos.

Entre outras coisas, comprar muito em seus cartões de crédito pode:
  • Acumular dívidas de cartão de crédito com juros altos.
  • Te dar a falsa noção de quanto dinheiro você tem disponível para gastar.
  • Afasta o dinheiro do seu fundo de emergência.
  • Suas economias de aposentadoria receberão menos aportes.
  • Prejudica sua pontuação de crédito.

No entanto, não se sinta mal se você exagerou nos gastos com cartão de crédito. Você tem muitas opções quando se trata de dar a volta por cima.


Como dar fim a esse péssimo hábito

Embora a dívida do cartão de crédito possa causar dores de cabeça financeiras, você só depende de si pra resolver essa parada. Aqui estão cinco maneiras de fazer isso:

  • Crie um orçamento doméstico. Um orçamento pode ajudar a manter suas receitas e despesas em equilíbrio. Monitorar o dinheiro que está entrando e saindo oferece uma visão geral de suas finanças. (Vamos falar sobre isso mais tarde.)

  • Faça mais do que o pagamento mínimo. Embora possa parecer atraente pagar apenas o pagamento mínimo em suas faturas de cartão de crédito todos os meses, isso pode resultar em uma pilha de juros. Então, como você evita cobranças de juros? Pague seus saldos integralmente todos os meses, sempre que possível. Pagar mais do que o mínimo mensal pode ajudá-lo a economizar dinheiro com juros e liquidar sua dívida mais rapidamente.

  • Coloque-se em uma dieta de crédito. Para controlar os gastos, considere estabelecer um limite estrito de quanto você pode gastar em seus cartões de crédito todos os meses.

  • Tire os cartões de crédito da sua carteira. Pode parecer extremo, mas deixar seus cartões de crédito em casa ou trancá-los em algum lugar que não seja facilmente acessível é uma maneira infalível de evitar usar os danadinhos. Dando um passo adiante, você pode optar por suspender o cartão de crédito para que não possa fazer cobranças nele.

  • Apague as informações do seu cartão de crédito. Se você tem o hábito de gastar, a conveniência das compras online pode ser um grande contribuinte. Uma coisa que você pode fazer para resolver isso é remover suas informações de pagamento dos sites ou do recurso de preenchimento automático do seu navegador. Fazer isso forçará você a inserir manualmente os dados do cartão de crédito e o endereço de cobrança toda vez que comprar algo online. Isso eliminará a capacidade de fazer compras com um clique, potencialmente diminuindo seus gastos impulsivos.

4. Não poupar para o futuro

Em algum momento, você pode querer comprar uma casa. Ou talvez você espere colocar seus filhos na faculdade. E, provavelmente, você gostaria de se aposentar um dia. Essas metas geralmente exigem anos de planejamento e décadas de economia.

No entanto, muitos brasileiros e brasileiras não estão preparados para o futuro.

Possíveis consequências de não poupar para o futuro incluem:
  • Não poder comprar uma casa.
  • A incapacidade de contribuir muito para a educação universitária de seus filhos.
  • Uma aposentadoria atrasada ou inexistente.


Como dar fim a esse péssimo hábito

Nunca é tarde demais para economizar para o futuro. Você pode começar agora mesmo fazendo o seguinte:

  • Automatize suas economias. Dependendo do recurso que seu banco oferece, você pode transferir automaticamente uma porcentagem do seu salário para uma conta poupança que rende juros. Como tudo será resolvido sempre que seu salário chegar à sua conta corrente, fica muito mais fácil ficar com ele.

  • Procure maneiras de cortar despesas. Você pode alocar mais dinheiro para economizar procurando lugares para cortar custos. Por exemplo, você pode cancelar assinaturas não utilizadas, comprar seguro residencial e de carro mais barato, refinanciar seu carro ou consolidar sua dívida.

  • Faça uma grana extra. Para complementar sua renda regular e economizar mais dinheiro, procure um freela (Freelancer é um termo inglês que caracteriza o profissional autônomo que executa uma atividade de maneira independente, podendo prestar serviços a vários empregadores). Não sabe o que fazer? Tente ganhar dinheiro com um hobby como panificação, fotografia, pintura ou design gráfico.

  • Construa um orçamento. Um orçamento permite que você acompanhe seus gastos e economias e alcance suas metas financeiras.

  • Concentre-se em seus fundos de aposentadoria. Se você sente que está atrasado em poupar para a aposentadoria, não é uma causa perdida. Verifique o mercado que você vai encontrar um monte de opções de Previdência Privada e também podendo somar ao seu INSS, caso for CLT.

5. Não cumpri ou nem mesmo cria um Orçamento

Não estabelecer um orçamento - ou não seguir um que você já tem - remove a chave para controlar suas finanças e garantir que suas necessidades financeiras de curto e longo prazo sejam atendidas. Um orçamento orienta suas decisões financeiras e serve como um mapa que aponta na direção certa.


Como dar fim a esse péssimo hábito
Quebrar esse hábito não é complicado: Crie um orçamento e comprometa-se a segui-lo. É importante encontrar o método de orçamento que funciona para você, pois é mais provável que você o siga dessa maneira. No mínimo, seu processo orçamentário deve incluir as três etapas a seguir:
  • Faça as contas. Vasculhe seus registros bancários, extratos de cartão de crédito e outros documentos financeiros para calcular suas receitas e despesas. Some os contracheques do mês anterior se você for pago em um cronograma definido; se sua renda for mais irregular, calcule a média dos últimos três a seis meses.

  • Defina metas financeiras de curto e longo prazo. Uma parte importante do orçamento envolve descobrir o que você quer fazer com seu dinheiro. Você está ansioso para sair das dívidas? Você está de olho em uma compra de casa? Você está tentando construir suas economias de aposentadoria? Pense com esses objetivos em mente ao definir seu orçamento.
  • Monitore seus gastos. Isso é fundamental para criar seu orçamento e cumpri-lo. Você vai querer começar escolhendo um método para rastrear seus gastos. Pode ser uma planilha ou um aplicativo de orçamento. Independentemente disso, é crucial coletar todas as suas informações de receitas e despesas em um local central para que seja mais fácil ficar de olho em seus objetivos. Além disso, certifique-se de agendar um horário, talvez uma vez por semana, para ultrapassar seu orçamento.

Seu futuro só depende de você

Não importa o seu caminho a seguir, reconhecer quaisquer maus hábitos financeiros que você possa ter atualmente significa que você já está progredindo.

Não existe uma solução única para gerenciar dinheiro, portanto, descobrir como melhorar sua situação financeira requer criatividade e pensamento crítico.

Acompanhar seus gastos e monitorar seu crédito são duas boas maneiras de começar. Se você precisar de ajuda externa, considere procurar o conselho de um consultor, como o Gui Vendramini.

O Gui Vendramini fornece vários conteúdos gratuitos e que ajudam as pessoas a aprender mais sobre educação financeira, finanças pessoais e como lidar com suas dificuldades financeiras.

Com as informações acima em mãos, agora você deve estar mais bem equipado para pensar efetivamente sobre suas próprias finanças. Felizmente, isso significa que esses sonhos financeiros estão mais perto do que você imagina.
Created with